sexta-feira, 11 de março de 2011

IDADE MÉDIA E A CRISE DO SÉCULO XIV

             Para as turmas do 1º Ano do Ensino Médio, posto aqui  nossa aula sobre a Idade Média. Desta, o mais importante é a crise do Século XIV e suas consequências, pois iremos conhecer, já na primeira semana pós Carnaval (2011), o Renascimento Cultural.


 

 

 
ALTA IDADE MÉDIA

  • Introdução

 
A Idade Média só ocorreu na Europa, teve início com as invasões germânicas (bárbaras), sobre o Império Romano do Ocidente no século V, estendendo-se até o século XV, com a expansão comercial europeia.

 

Crise do Império Romana (http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=80)
 Caracteriza-se pela economia ruralizada, o enfraquecimento comercial, a supremacia da Igreja Católica, o sistema de produção feudal e a sociedade hierarquizada.

 
Página da Iluminura “As mais belas horas do Duque de Berry” 
         Iluminura são desenhos que ilustravam livros escritos ou copiados durante a Idade Média. Essa acima, representa bem a vida medieval, o trabalho da terra (ruralização) – o camponês arando, colhendo e semeando, três importante momentos na vida rural; o castelo ao fundo, num plano mais alto, morada do Senhor.

 
  • A divisão didática da Idade Média

 

 

 
  • A Sociedade medieval
Características:
  • Estamental, sem mobilidade
  • Dividida em três ordens:
1ª Clero (padres, bispos, papa)

 
2ª Nobres (reis, condes, duques, cavaleiros)

 
3ª Servos (camponeses, artesões e burgueses) 

 

 
FEUDALISMO


         "O Feudalismo pode ser visto enquanto um sistema de produção a partir do século IX, definido após um longo processo de formação, reunindo principalmente elementos de origem germânica e de origem romana. Essa estrutura foi marcante na Europa Ocidental e responsável pela consolidação de conceitos e valores que se perpetuaram. Muitos vêem nesse momento o desenvolvimento da "Europa Cristã"."



http://blogeebaeduc.blogspot.com/2009/03/feudalismo-mapa-conceitual_06.html

Desenho de um feudo

Economia

 
Baseava-se principalmente na agricultura.
Existiam moedas, porém eram pouco utilizadas.
As trocas de produtos e mercadorias eram comuns.
O feudo era a base econômica, quem tinha a terra possuía mais poder.
O artesanato era praticado com baixa produção, as técnicas de trabalho agrícola eram extremamente rudimentares.

BAIXA IDADE MÉDIA


        No século X, ocorreu o fim das invasões. Os últimos invasores já haviam se estabelecidos:
  • normandos no Norte da França (Normandia)
  • eslavos - no centro leste da Europa (atual Hungria).
        O continente vivia a "paz medieval", a qual ocasionou mudanças que provocaram transformações no panorama europeu. Houve uma melhoria na produção, que consequentemente levou à uma melhoria alimentar, possibilitando um aumento demográfico.
        Devemos considerar ainda as diversas inovações técnicas que surgem ou passam a ser utilizadas em maior escala a partir do século XI. Como exemplos temos o moinho de água, de animais ou de vento, a inovação tecnológica do eixo comum às duas rodas nos arados, agora de ferro, a utilização de animais, como o cavalo com ferradura, no lugar do boi e a alternância das culturas nos campos, como o rodízio da cultura paralela de trigo, feijão, centeio e aveia.
        A expansão agrícola e demográfica e a base do crescimento europeu do século XI marcam uma ruptura com o período anterior. O crescimento das cidades e as novas relações sociais alteram as estruturas medievais, diferenciando, assim a Alta e a Baixa Idade Média.

       A expansão agrícola alterou o regime do homem medieval, o que, por sua vez, favoreceu a queda dos índices de mortalidade e o aumento da natalidade, provocando a expansão demográfica observada nesse período. Os dois fenômenos devem ser compreendidos em conjunto.

Pieter Bruegel
BURGUESIA – NOVA CAMADA SOCIAL

            Em torno dos castelos começaram a estabelecer-se indivíduos que comerciavam produtos excedentes locais e originários de outras regiões da Europa. Retomaram o uso da moeda por necessidade econômica.
            Dedicados ao comércio, enriqueceram e dinamizaram a economia no final da Idade Média. Esta nova camada social necessitava de segurança e buscou construir habitações protegidas por muros. Surgia assim os burgos que, com o passar do tempo, deram origem a várias cidades (renascimento urbano) e seus moradores passaram a ser chamados de "burgueses".

Clássica pintura, representando os dois novos valores da burguesia: o comércio e o conhecimento.
CRISE DO SÉCULO XIV E SUAS CONSEQUÊNCIAS


         Em todo o século XIV e até meados do século XV, a Europa enfrentou uma série de circunstâncias que afetaram profundamente a vida de sua população. Mudanças climáticas trouxeram vários anos seguidos de muita chuva e frio, o que causou o extermínio de animais e plantações, levando a um longo período de fome; a peste negra, originária do Mar Negro e, transmitida por ratos, dizimou milhões de europeus já enfraquecidos pela fome. Além disso, a violência gerada pela Guerra dos Cem Anos fez eclodirem revoltas populares que ceifaram outras tantas vidas.
 

       Para finalizar, podemos concluir que a crise do século XIV foi um conjunto de fatores: períodos de muitas chuvas, intercalado aos de seca, juntamente com a  Guerra dos Cem Anos entre  Inglaterra e  França, o que acarretou a redução de alimentos, levando a fome e mortes. Com a expansão do comércio e o resusrgimento das cidades, muitas doenças, como a Peste Negra, acharam um ambiente propício, consequentemente a população da Europa diminuiu bastante, levando a falta de mão-de-obra, tanto nos campos como nas cidades. Diante desse quadro, muitos senhores, aumentaram os impostos  dos camponeses, com a intenção de aumentar seus rendimentos. Em muitos lugares, os camponeses se revoltaram contra a opressão e a fome, queriam se libertar das amarras feudais. O que nos leva a perceber uma grande mudança de mentalidade.
      Esses fatores acabaram desgastando o sistema feudal, mas não  levando ao seu fim, até o século XVIII ainda conseguiremos identificar características feudais em toda a Europa Ocidental.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário